sexta-feira, 26 de outubro de 2012

O retorno da Jadi Loiseeeeeeeeeee! :)


Clark, oieeeeeeeeeeeee!
Saudades. Sentiu minha falta? Tenho uma prima que diz que o certo é dizer: “sentiu minha ausência?” Falta é uma coisa, ausência e outra, concorda, discorda ou me dá corda? Acabei de acordar de descansar, estava muito moída por causa da última aventura, sabe qual foi? Fomos até Veneza por causa de uma palestra do papi e eu trouxe fotos e anotações mil no meu caderno, que já tem 45 pessoas! Você continua lá, sabia? Claro que sabia, ora, é o Superman!!!!
Aqui estamos bem, eu ganhei do papi um pedido: escrever para você, para nós todos, embora a minha mamã ainda torça o nariz. Rs Mas não se pode agradar a todos, né?
O seu blog tinha proibição para menores e agora não tem. Como é que eu sei? Li lá, mesmo não podendo, porque eu sou fiel aos meus amigos e você é meu amigo, ponto final. Parágrafo.
Percebi, e ouvi o Senhor Coelho dizer, que perdeu a bbrian. Eu conheço todos vocês e acho melhor o meu pai não perder mais ninguém pois tem pouca gente por aqui.
Vamos continuar as estórias para as minha pessoas?
Quer?
Eu quero, até para fazer uso da liberdade que meus pais me deram (minha mãe não… mais ou menos, sei lá, é de veneta, pode mudar de ideia. Pronto, vai mudar de ideia porque eu disse que ela é de veneta…)
Fiz um cursinho rápido de noção de fotografia, sabia? Vou ser uma repórter completa! A foto que meu papi tem no perfil agora com a mami fui eu quem tirou! Diz se está bom, tá?
A pessoa de hoje é uma pessoa diferente:
Pessoa 28:
«Tem um nariz que vive entupido e uma voz meiguinha, não gosta de carne e só come vegetais, faz dança contemporânea e tem um namorado italiano que conheceu pela Net, fazem dois anos. Vive na minha casa quando eu estou com dificuldade no Inglês. É magrinha e tem o dobro da minha idade menos um ano. Não gosta de sol, prefere o frio, mas é uma amiga bem afectuosa e carinhosa,então é aquece o meu coração.»
Espero que volte logo, meu colega de Redação.
Beijuuuuuuuuuuu.
Ah, tá, nas fotos são os meus avós portugueses e nós em Veneza. A loira é a Nathali, minha prima.
*Minha avó, meu vó e minha prima. Eu também, amassada... rs

20 comentários:

  1. Coelho!

    O que você deu para essa menina que ela saiu escrevendo desse jeito tão apetitoso??
    Essa garota tem uma ginga rara, tempero no verbo!
    Vai super longe. Vai para as bibliotecas do mundo.
    Adorei:)
    E penso e logo insisto para que você permita que ela tenha o próprio blog.
    Parabéns :)
    Deve dar uma felicidade enorme ver um filho escrevendo bem assim.

    beijoss para os dois...

    Bípede Lelena falante

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Bípede,
      tenho um orgulho inenarrável de Loise e a olho como um fantástico presente do destino, é realmente uma rapariga que nasceu para comunicar, certamente!
      Dei flocos para ela comer, desde sempre, mas a bichinha é viciada em chocolate, marmelada, feijão preto, cenoura crua e muita, mas muita mesmo (umas dez, doze por dia) laranja! Acho que os elementos se misturam e promovem uma nutrição bombástica! Rs
      Porém, o elemento químico que a faz processar os outros elementos e aproveitar em cem por cento o que come, bebe, ouve e lê é algo que tamém tem dentro de ti: entusiasmo!!!!!
      Foste delicada e muito afetuosa com a filhota minha, obrigado, bem sabes o que é ver os nossos acarinhados.
      Um beijinho bem carinhoso para si, carinhosa.

      Eliminar
  2. loise é uma coisa muito fofa!


    será que o clark já viu???

    bem vinda de volta.

    um beijo.

    ResponderEliminar
  3. oi Carlos,

    segue o link e vem ouvir "O Declamador"

    :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oi "Declamadora",
      Bela surpresa!
      + 1 bilog :)
      Beijos (*)

      Eliminar
  4. Jadi, está uma ladi!
    Amanhã vou tentar responder à Superman, ou tomar um pouco de kriptonite ;)
    Bjus

    ResponderEliminar
  5. Oieee Loise!
    Superman

    Passou voando…
    Senti sua falta sim, fala o FC.
    Já tinha saudades de CC, seu pai, ainda bem ele abriu o blog para tu!
    Estou escrevendo, enquanto faço uma pausa na correcção duma turma de testes. Ando a marinar, como a carne em vinha de alhos (carne deixada a temperar mergulhada em vinho com alhos, gostas de cozinhar?), minhas ideias para um conto tendo como personagem a nova pessoa que propões. Ela me fez lembrar da My Precious, mistérios de não saber o quem, saber porquê?
    Espero ter-te aguçado a curiosidade para um conto ainda inexistente :)
    Teu pai, esse querido, devia convidar seus autores para esta iniciativa literária.
    Então, minha amiga, um até amanhã.
    Claro, podia lá esquecer, a foto, é um facto, seus pais formam um casal lindo. Quanto à sua arte de captar a imagem, forma uma espécie de aura protectora: matiza o conjunto, a singular presença do olhar, captando aquele que lhe é devolvido (ficam + lindos por estar a olhar para tu? :). Parabéns!
    Beijus

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Volto, faltou referir os avós, lindos! De quem é a foto? É só arte! :))

      Eliminar
    2. Claro (Clark...), a prima é linda! Bjus

      Eliminar
  6. Loise,
    «Eu conheço todos vocês e acho melhor o meu pai não perder mais ninguém pois tem pouca gente por aqui.
    Vamos continuar as estórias para as minha pessoas?»
    "O Declamador" passa a seguir este blog, mais uma pessoa? Duas! Pedi à "Produtora" para fazer a ligação ;)
    Agora vou-me deixar de histórias, a história:

    «Tem um nariz que vive entupido e uma voz meiguinha, não gosta de carne e só come vegetais, faz dança contemporânea e tem um namorado italiano que conheceu pela Net, fazem dois anos. Vive na minha casa quando eu estou com dificuldade no Inglês. É magrinha e tem o dobro da minha idade menos um ano. Não gosta de sol, prefere o frio, mas é uma amiga bem afectuosa e carinhosa, então é aquece o meu coração.»

    IDEIA DE MIM

    Acordo rendida à minha pessoa, à voz meiga que ninguém lê nas minhas histórias. Uma breve cedência ao meu nariz entupido e aos meus gostos vegetarianos, logo de seguida liberto-me do Gosto, escrevo a razão: o nariz liberta-se, o apetite esquece, o ser revela-se, passo a ser uma ideia de mim.

    Mina

    AMANHÃ TANTO COMO HOJE

    A)
    LIBERDADE EM ESTADO PURO

    «então é aquece o meu coração»
    a frase liberta-se das imposições
    da gramática para uma autonomia
    onde a poesia se descobre e vem
    igual a uma vontade de versos
    deveras tão intensa e inexplicável
    quanto o canto no banheiro ser
    A) "liberdade em estado puro"

    B)
    EM MOVIMENTO

    «tem o dobro da minha idade»
    eu aprendo com ela e comigo
    penso quanto aprendo de estar
    a estudar com ela noutra língua
    com a qual irei pensar sempre
    estando emersa na sua presença
    para lá da conversa, em sonhos
    B)em continuo "em movimento"

    C)
    AMANHÃ TANTO COMO HOJE

    «… gosta de sol, prefere o frio»
    é estranho registar cada opinião
    capaz de nos conduzir à poética
    de transformar num fazer este
    dizer da língua – sua linguagem
    nossa tentando escapar ao dia
    para – amanhã tanto como hoje
    C) "amanhã tanto como hoje"

    Francisco Coimbra

    Assino estes versos onde escrevi um poema, indo beber na tua – entrada de diário, para te convidar a fazer uns versos. Teria muito gosto em tentar declamar um poema teu, algo que se escreve com poesia, igual a sentir «então é aquece o meu coração» quando algo aquece o nosso coração. Penso teres falado desse modo da tua amiga, desse modo também escreves "as tuas pessoas".
    Escrevi uma história da Mina, aqui a deixo, confiante na arte de CC e você para a ler de novo ;)
    Beijus
    FC

    ResponderEliminar
  7. Loise, minha participação:)

    "To be or not to be”

    Enquanto dançava seu número solo, aquela moça elegante, lânguida olhos pequenos, um sorriso calmo, serenamente se entregava a leveza de seus sonhos, dando a cada gesto um significado íntimo. A cada passo executado surgia uma frase mentalmente despertada pelos seus desejos e intensamente codificada em um movimento preciso, exposto para os atentos olhos da plateia com o inegável talento de bailarina. Só sabia dançar assim, era assim que vivia o mundo da dança, dando a ele o colorido de seus pensamentos e transformando tudo em um instante de prazer secreto. Havia poucas coisas que a faziam tão plena quanto a dança, uma delas era o dono das imagens que projectava constantemente junto aos passos de dança, o homem que amava e com o qual iria realizar o seu destino: Francesco Luguese, o seu “Cesco”, seu “amore”, seu “bel ragazzo”, “compagno”, “futuro marito”, seu “amore per la vita”… Pensava em construir com ele um ninho, um aconchego, um espaço impenetrável, uma casa de abelha, para que ambos produzissem o mel dos dias e darem ao mundo o doce encanto de um casal feliz. Imaginava que com o amor que deles se expandisse, tudo seria recoberto de felicidade, as paredes, os móveis, os objectos, os nomes com os quais chamariam as outras pessoas, as outras pessoas, os outros países, o mundo todo! Fiava em sua cabeça cada uma das partes desta colcha de amor, dando especial atenção aos detalhes, criando as acções, recitando as declarações, realizando o futuro através da imaginação.

    Não seria de se estranhar se algo desse errado, que alguma coisa não saísse como imaginava, pois todos sabemos que o que queremos é muito distante do que temos de fato e isto era para ela um único motivo de muita inquietação e tensão, lidar com o inevitável! Tentava não pensar em tragédias, acidentes, imprevistos, coisas cercadas pelo fatalismo da vida, mas os noticiários, os jornais, os vizinhos, as pessoas de uma forma geral, eram cercadas de coisas tristes, infelizes, acontecimentos que não cabiam dentro de seu mundo idealizado de forma a ser perfeito. Quando alguém próximo sofria algum revés, rapidamente a sua respiração se tornava mais difícil e lhe criava problemas respiratórios, típico de quem tem medo…

    Curiosamente sua aluna particular de inglês, uma jovem muito inteligente e amiga, lhe inspirava coragem para viver sem se preocupar tanto com o amanhã. Dizia que tudo pode “ser ou não ser”, dependendo da nossa disposição para tal e que o destino é uma teia, onde podemos habitar a teia alheia ou podemos construir a nossa própria teia, a decisão era sempre nossa. Os dias poderiam acabar amanhã ou depois de um século, mas que tudo acabava e isso nos fazia ter a obrigação de viver intensamente cada um dos nossos dias de vida. As palavras da menina, que tinha menos de metade da sua idade, chegavam a ela como as palavras de uma anciã e eram capazes de dotá-la de uma inesperada coragem, ao ponto de querer sair a saltar, correr, dançar um ritmo bem puxado, até cair exausta no chão, cheia de vida e feliz! De todas as incertezas, uma única coisa porém era certíssima, se concretizasse os seus sonhos, se fosse morar em Itália com o seu Francesco, ou mesmo se fracassassem terrivelmente os seus planos, sabia que a menina tinha razão, iria sentir muita falta de ter uma conselheira tão sábia por perto.

    #

    aproveitei e publiquei em meu blog
    http://animallsociall.blogspot.pt/2012/10/in-tu-ir.html

    um beijo para você,

    um beijo, C.C.

    ResponderEliminar
  8. Adorei a narrativa rápida! O texto saiu do convencional. Ótimo!

    Suzana Guimaraes/Lily

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Lily,

      tapete vermelho para você,
      é uma honra recebê-la!

      um beijinho.

      Eliminar
  9. Lois

    Minha contribuição para a pessoa 28 :)

    beijo.

    http://escotilhaescotilha.blogspot.pt/2012/10/a-travessia.html

    A Travessia


    A alma é o maior milagre do mundo!
    Dante Alighieri


    O italiano Nicola Tibitelli desembarcou no Aeroporto Internacional do Rio de Janeiro com uma mala de mão, um endereço na cidade de São Paulo, uma passagem aérea e uma grande expectativa no coração. Era um dia incomum para ele, algo tão extraordinário que parecia capaz de mudar o rumo dos horas, fazer parecer que o mundo estava feito em cores mais fortes e sons vibrantes, que todas as coisas velhas eram novas, que as novas ele as inventou, que o mundo era uma criação sua e ele brincava com a felicidade. Ou… Dito de uma forma um pouco mais específica, era a primeira vez que veria o amor de sua vida.

    Através das vidraças perfeitamente limpas, vislumbrou um Sol pleno, posto em um céu azul vivo, límpido, magistral! Nunca havia desembarcado no Brasil, nunca estivera tão ansioso, nunca tinha largado as certezas, nunca amara a uma desconhecida… Tudo conspirava para que ele entrasse em pânico, no entanto, sentia-se completamente tomado pela vida, disposto a transformar sua historia em um conto de fadas moderno. Havia intuído a delicadeza da moça, sua pele branca, sua voz melodiosa e sua paixão pela dança, sabia-a como seu par, sua parte que faltava, sua verdade, seu talismã. Estava pronto, enfim, para o Amor.

    Conheceram-se em uma rede social, ela amiga da amiga de um amigo, ele encantado com a foto de uma bailarina, eternizada em um salto que mais parecia o voo de algum pássaro raro… Não demoraram a trocar pequenos recados, “good morning”, “good week”, “a kiss”, “many kisses”… O inglês era a língua comum aos dois, o entusiasmo também. Depressa começaram a trocar fotos, impressões sobre a vida, intimidades de infância, segredos sentimentais… Em quatro meses, que de tão intensos pareciam anos, apaixonaram-se e se declaram em noite de longo telefonema e grande lua cheia em Roma!

    Trazia com ele uma foto dela, uma carta escrita a mão e um anel de noivado. As dúvidas já não martelavam sua cabeça ou descompassavam o seu coração, se ela o acharia tão atraente pessoalmente, se suas peles seriam compatíveis, se seus destinos estavam de fato cruzados… Tudo agora era a mais tranquila e derradeira certeza. Olhava para o dia luminoso da Cidade, momento único que tempo lhe oferecia, absorvia a claridade… Dali a poucas horas embarcaria para São Paulo e estaria traçada a rota do seu futuro, amar e ser amado! Fosse isto ou fosse apenas um equívoco infeliz, a exigência da alma nunca pode ser contida e ele havia compreendido a sua e iria até os confins da terra para tocar os fios dos cabelos dela, dar-lhe a mão em um passeio, beijar os seus lábios, colocar seu coração junto ao coração dela… E se tudo não passasse de uma fantasia, ainda sim enalteceria o privilégio de ter sido eleito pelo amor e se jogado em um mergulho sem volta, de onde não se sai como entrou… A certeza de que estava fazendo tudo para desbravar o desconhecido de um sentimento fazia-o sentir vivo, presente, incontrolavelmente feliz!

    Olhou para o relógio, o tempo havia passado como que conspirando a seu favor, fazendo faltarem duas horas entre ele e o destino escolhido… Não fosse ele um homem discreto, teria deixado cair pelo rosto as lágrimas que insistiam em marejar seus olhos azuis…

    ResponderEliminar
  10. O que mais me impressiona é ver que vocês não estão de brincadeira, assim com a Loise.
    Fico lisonjeado por ter vocês aqui comigo, são espetaculares autores e não deixam por menos, o que enriquece demais a minha vida e a de minha filhota.

    Obrigado, muito obrigado.

    Os contos estão sensacionais.

    Vou deixar a Dona do post dizer mais.

    beijinhos a todos vocês.

    ResponderEliminar
  11. Coloquei a minha conta de e-mail para comentar e seguir os blogs, minha mãe deixou com uma condição, ela poder ler o que eu escrevo e poder saber o que me escrevem. Acho legal ela pensar em me proteger, eu gosto de ter a família que tenho, me sinto ótima!


    Eu sinto que existem pessoas que nasceram para escrever.
    Clark, você nasceu assim, para escrever:)
    mas eu não, nasci para ler talvez e com você eu penso que nasci para escrever. É bem legal.

    Eu li tudo o que escreveu e gostei muito, você foi variando a forma, prosa, poesia, diário e eu gosto da sua versatilidade.

    Não vou poder escrever o poema pois sei as minhas limitações e nunca gostaria de escrever um poema que fosse mais ou menos pois sou muito vaidosa com as minhas coisas. ;)

    Betinora, você escreveu duas vezes e nas duas me fez acreditar que estava lendo um bom livro. Nossa, com vooê escreve bem, heim!

    Lily,

    fui no seu blog e gostei muito. Quer fazer parte da nossa turma e ir escrevendo coisas sobre as pessoas do meu diário?

    um beijo para todos
    e um especial para o meu parceiro, o Clark.

    PS: agora meu pai, bonzinho, deixou os anónimos comentarem

    ResponderEliminar
  12. Gostei muito do que li aqui. Agradeço tua visita e comentário no meu blog de contos curtos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. oie!
      que bom que você veio, Dolce Vita, volte sempre. :)
      beijinhos.

      Eliminar
  13. Ei, cadê a família Coelho?
    Estou à espera de novos posts do pai e da filha!
    Façam o favor de vir escrever!!

    beijoss :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. oieeeeeeeeeee, Bípede!

      Estou aqui, tomei metade do poder.. hehehe

      beijinho.

      Eliminar